Entrevistas |

#12 – Em defesa da universidade pública e das políticas afirmativas | Entrevista com Jorge Vasconcellos

Conteúdo completo:


Nesta entrevista, Jorge Vasconcellos faz uma defesa das políticas afirmativas dentro das instituições de ensino brasileira, narrando momentos importantes de sua trajetória desde sua época de estudante até a docência (que iniciou muito cedo, aos 15 anos de idade), sempre em instituições públicas de ensino brasileiras. Também foi tema desta conversa, o pensamento de autores que lhe são caros, tais como Deleuze e Guattari, Achile Mbembe, além da tradição crítica do pensamento brasileiro e latinoamericano.

Negro-Índio, isto é, sua ascendência é afrodiaspórica-ameríndia, Jorge Vasconcellos é descendente de negrxs escravizadxs e seu bisavô foi indígena Xavante aldeado. Doutor em Filosofia (UFRJ: 2002). Fez recentemente um Pós-doutorado em Artes no Instituto de Artes da UERJ (2018-2019). Professor Associado da Universidade Federal Fluminense/UFF. Professor do Departamento de Artes e Estudos Culturais/RAE. Coordenador do Programa de Pós-graduação em Estudos Contemporâneos das Artes/PPGCA, ambos da UFF. Líder do Grupo de Pesquisas CNPq: “práticas estético-políticas na arte contemporânea”. Escreveu e publicou vários livros sobre filosofia francesa contemporânea, mas está interessado no que está por agora escrevendo acerca das práticas estético-políticas na arte contemporânea brasileira. E o mais importante: É Pai de Valentina, Joaquim e Zoé; e, procura sempre estar o mais próximo possível dxs amigxs, pois, os afetos fraternos lhe são muito caros.


View this post on Instagram

Em defesa da universidade pública e das políticas afirmativas | Entrevista com Jorge Vasconcellos. Nesta entrevista, Jorge Vasconcellos faz uma defesa das políticas afirmativas dentro das instituições de ensino brasileira, narrando momentos importantes de sua trajetória desde sua época de estudante até a docência (que iniciou muito cedo, aos 15 anos de idade), sempre em instituições públicas de ensino brasileiras. Também foi tema desta conversa, o pensamento de autores que lhe são caros, tais como Deleuze e Guattari, Achile Mbembe, além da tradição crítica do pensamento brasileiro e latinoamericano. Negro-Índio, isto é, sua ascendência é afrodiaspórica-ameríndia, Jorge Vasconcellos é descendente de negrxs escravizadxs e seu bisavô foi indígena Xavante aldeado. Doutor em Filosofia (UFRJ: 2002). Fez recentemente um Pós-doutorado em Artes no Instituto de Artes da UERJ (2018-2019). Professor Associado da Universidade Federal Fluminense/UFF. Professor do Departamento de Artes e Estudos Culturais/RAE. Coordenador do Programa de Pós-graduação em Estudos Contemporâneos das Artes/PPGCA, ambos da UFF. Líder do Grupo de Pesquisas CNPq: “práticas estético-políticas na arte contemporânea”. Escreveu e publicou vários livros sobre filosofia francesa contemporânea, mas está interessado no que está por agora escrevendo acerca das práticas estético-políticas na arte contemporânea brasileira. E o mais importante: É Pai de Valentina, Joaquim e Zoé; e, procura sempre estar o mais próximo possível dxs amigxs, pois, os afetos fraternos lhe são muito caros. ________________________ Caio Souto caiosouto@gmail.com #universidade #publica #politica #políticaspúblicas #políticasafirmativas #achillembembe #necropolitica #minorias #militancia #estetica #filosofiacontemporanea #filosofiapolitica #michelfoucault #agamben #deleuze #guattari #cinema #artes #anarquismo #cotasraciais #cotas #negros #indios #antifascismo #anticolonial #decolonialidade #emcasa #entrevista #conversacoesfilosoficas #biopolitica

A post shared by Caio Souto (@conversacoesfilosoficas) on


Comentários:


Compartilhe o conteúdo:

Facebook Twitter Linkedin WhattsApp Telegram Copiar link
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Canal do YouTube
Instagram
Facebook
Twitter
Distribuição RSS