Entrevistas |

#120 – Fichte: liberdade, intersubjetividade e linguagem | Entrevista com Francisco Prata Gaspar

Conteúdo completo:

O que é filosofar depois de Kant? A pesquisa de Francisco Prata Gaspar analisa as obras filosóficas de diversos autores posteriores a Kant, tal como principalmente a de Johann Gottlieb Fichte, mas não apenas. Também são mobilizados autores como Maimon, Reinhold, Shültze, Schelling e Hegel, autores comumente identificados com o idealismo alemão. Dentre os temas referidos a Fichte, estão principaimente os da liberdade, da intersubjetividade e da linguagem, aspectos que influenciaram autores mais recentes, tais como aqueles vinculados à Escola de Frankfurt, por exemplo.

Francisco Prata Gaspar possui graduação em Filosofia pela Universidade de São Paulo (2005), mestrado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (2009) e doutorado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (2015), com doutorado-sanduíche na Ludwig-Maximilians-Universität München (2012-2014). Atualmente é professor adjunto no Departamento de Filosofia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e membro do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da mesma universidade. Seu campo de pesquisa é a filosofia clássica alemã, particularmente Kant, Maimon, Fichte, Jacobi e Schelling, incluindo recentemente a obra de Nietzsche. Tem interesse nas grandes áreas de História da Filosofia Moderna e Contemporânea; e nas sub-áreas: metafísica e epistemologia, com foco nos seguintes temas: a fundação do saber na autoconsciência, síntese entre pensamento e ser (lógica e ontologia), o destino da ontologia e da metafísica clássicas, as relações entre linguagem, autoconsciência e intersubjetividade.


View this post on Instagram

Fichte: liberdade, intersubjetividade e linguagem | Entrevista com Francisco Prata Gaspar ⠀ O que é filosofar depois de Kant? A pesquisa de Francisco Prata Gaspar analisa as obras filosóficas de diversos autores posteriores a Kant, tal como principalmente a de Johann Gottlieb Fichte, mas não apenas. Também são mobilizados autores como Maimon, Reinhold, Shültze, Schelling e Hegel, autores comumente identificados com o idealismo alemão. Dentre os temas referidos a Fichte, estão principaimente os da liberdade, da intersubjetividade e da linguagem, aspectos que influenciaram autores mais recentes, tais como aqueles vinculados à Escola de Frankfurt, por exemplo. ⠀ Francisco Prata Gaspar possui graduação em Filosofia pela Universidade de São Paulo (2005), mestrado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (2009) e doutorado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (2015), com doutorado-sanduíche na Ludwig-Maximilians-Universität München (2012-2014). Atualmente é professor adjunto no Departamento de Filosofia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e membro do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da mesma universidade. Seu campo de pesquisa é a filosofia clássica alemã, particularmente Kant, Maimon, Fichte, Jacobi e Schelling, incluindo recentemente a obra de Nietzsche. Tem interesse nas grandes áreas de História da Filosofia Moderna e Contemporânea; e nas sub-áreas: metafísica e epistemologia, com foco nos seguintes temas: a fundação do saber na autoconsciência, síntese entre pensamento e ser (lógica e ontologia), o destino da ontologia e da metafísica clássicas, as relações entre linguagem, autoconsciência e intersubjetividade. ⠀ _________________________ Caio Souto Conversações Filosóficas ⠀ #emcasa #filosofia #idealismoalemão #fichte #kant #walterbenjamin #linguagem #subjetividade #intersubjetividade #shultze #reinhold #hegel #schelling #maimon #filosofiaalemã #romantismo #idealismo #idealismotranscendental #conversacoesfilosoficas ⠀

A post shared by Caio Souto (@conversacoesfilosoficas) on


Compartilhe o conteúdo:

Facebook Twitter Linkedin
Canal do Youtube
Facebook
Instagram
Twitter
Receba por e-mail
Podcast no Spotify