Entrevistas |

#150 – Por um cinema menor: cinema, filosofia e política | Entrevista com o cineasta André Félix

Conteúdo completo:

Nesta conversa, o cineasta André Félix conta um pouco sobre sua trajetória e de seu encontro com a filosofia, com a literatura e sobre como passou a dirigir filmes. Abordamos temas relativos aos livros de Deleuze sobre o cinema (“A imagem-movimento” e “A imagem-tempo”), a partir de aulas de Claudio Ulpiano e Roberto Machado. Também conversamos sobre cineastas brasileiros, principalmente Eduardo Coutinho. Por fim, abordamos as possíveis implicações políticas do pensamento cinematográfico, sobretudo num país como o Brasil. André Félix dirigiu “A cor do fogo e a cor da cinza” (2014) “Valentina” (2017) e “Diante de meus olhos” (2018).

André Félix possui graduação em Comunicação – Rádio TV pela Faculdades Integradas São Pedro/ES (FAESA) (2007). Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas – PósCom/UFBA (2014), na linha de pesquisa Análise de Produtos Midiáticos. Cursou Direção de Cinema na Escola de Cinema Darcy Ribeiro sob a orientação do Professor e Diretor de Cinema José Joffily(2009). Foi professor durante 18 meses no curso de produção audiovisual do Centro Técnico Vasco Coutinho, em Vila Velha/ES, ministrando as disciplinas: Direção de cinema, Linguagem de Cinema e Produção Experimental. Foi professor durante 19 meses do Arco Ocupacional de Cultura (Fotografia e Cinema) do Projovem em Vitória/ES. Trabalhou como roteirista no longa-metragem ‘Entreturnos’ (estréia prevista para o primeiro semestre de 2014) e atualmente trabalha no roteiro do longa-metragem ‘Cidade Alta’ (contemplado pelo edital de produção da Secretaria de Cultura da Bahia). Dirigiu os curtas ‘Subsolo'(2008) e ‘A Cor do Fogo e a Cor da Cinza'(selecionado para a mostra panorama do Festival de Tiradentes 2014). Tem experiência na área de Comunicação com ênfase em Teoria do Cinema e Produção Audiovisual.


View this post on Instagram

Por um cinema menor: cinema, filosofia e política | Entrevista com o cineasta André Félix (link na bio) ⠀ Nesta conversa, o cineasta André Félix conta um pouco sobre sua trajetória e de seu encontro com a filosofia, com a literatura e sobre como passou a dirigir filmes. Abordamos temas relativos aos livros de Deleuze sobre o cinema ("A imagem-movimento" e "A imagem-tempo"), a partir de aulas de Claudio Ulpiano e Roberto Machado. Também conversamos sobre cineastas brasileiros, principalmente Eduardo Coutinho. Por fim, abordamos as possíveis implicações políticas do pensamento cinematográfico, sobretudo num país como o Brasil. ⠀ André Félix dirigiu "A cor do fogo e a cor da cinza" (2014) "Valentina" (2017), "Diante de meus olhos" (2018). ⠀ André Félix possui graduação em Comunicação – Rádio TV pela Faculdades Integradas São Pedro/ES (FAESA) (2007). Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas – PósCom/UFBA (2014), na linha de pesquisa Análise de Produtos Midiáticos. Cursou Direção de Cinema na Escola de Cinema Darcy Ribeiro sob a orientação do Professor e Diretor de Cinema José Joffily(2009). Foi professor durante 18 meses no curso de produção audiovisual do Centro Técnico Vasco Coutinho, em Vila Velha/ES, ministrando as disciplinas: Direção de cinema, Linguagem de Cinema e Produção Experimental. Tem experiência na área de Comunicação com ênfase em Teoria do Cinema e Produção Audiovisual. ⠀ ________________________________ Caio Souto Conversações Filosóficas ⠀ #cinemamenor #resistência #artepolítica #cinema #arte #deleuze #claudioulpiano #filosofia #eduardocoutinho #glauberrocha #sganzerla #cinemadaurgência #ficção #personagem #falso #orsonwelles #nietzsche #política #jeanrouch #documentário #caiosouto #conversacoesfilosoficas

A post shared by Caio Souto (@conversacoesfilosoficas) on


Comentários:


Compartilhe o conteúdo:

Facebook Twitter Linkedin WhattsApp Telegram Copiar link
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Canal do YouTube
Instagram
Facebook
Twitter
Distribuição RSS