Entrevistas |

#181 – Variações do corpo sem órgãos em Deleuze e Guattari | Entrevista com Frederico Lemos

Conteúdo completo:

Conversamos sobre assuntos relacionados à obra escrita por Gilles Deleuze e Félix Guattari “Capitalismo e esquizofrenia”, em dois tomos: “O anti-Édipo” e “Mil Platôs”. Em especial, abordamos o conceito de “Corpo sem órgãos”, que surge inicialmente na obra estética de Artaud, e é depois elaborado por Deleuze e Guattari como um conceito filosófico. Depois da publicação de “O anti-Édipo”, algumas críticas foram feitas aos autores com respeito aos limites da experimentação que esse “corpo” poderia suportar, com o risco de evoluir para experimentações perigosas e disruptivas. Nesse sentido, os “Mil Platôs” apresentam com maior destaque o conceito de “prudência” nessa experimentação. Também conversamos sobre a questão do fascismo tal como é investigado pelos autores, desta vez em sua relação com a obra de Carlos Castañeda. Por fim, falamos sobre o conjunto da obra compartilhada pelos autores, que também engloba os livros “Kafka: para uma literatura menor” e “O que é a filosofia?”.

Frederico Lemos é Mestre em Filosofia pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UFF (2019) e licenciado em Ciências Sociais pela UFF (2017). Atualmente, cursa o Doutorado em Filosofia pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UFF, com trabalho voltado para o problema do fascismo na filosofia política de Deleuze e Guattari. É membro do GT Deleuze vinculado à Associação Nacional de Pós-Graduação em Filosofia (ANPOF). Atua no grupo de pesquisa do CNPq “Deleuze: variações, intensidades e ressonâncias” (DEVIR) e no “Círculo de Leitura Spinoza e a filosofia” de Niterói.


View this post on Instagram

Variações do corpo sem órgãos em Deleuze e Guattari (link na bio) ⠀ Conversamos sobre assuntos relacionados à obra escrita por Gilles Deleuze e Félix Guattari "Capitalismo e esquizofrenia", em dois tomos: "O anti-Édipo" e "Mil Platôs". Em especial, abordamos o conceito de "Corpo sem órgãos", que surge inicialmente na obra estética de Artaud, e é depois elaborado por Deleuze e Guattari como um conceito filosófico. Depois da publicação de "O anti-Édipo", algumas críticas foram feitas aos autores com respeito aos limites da experimentação que esse "corpo" poderia suportar, com o risco de evoluir para experimentações perigosas e disruptivas. Nesse sentido, os "Mil Platôs" apresentam com maior destaque o conceito de "prudência" nessa experimentação. Também conversamos sobre a questão do fascismo tal como é investigado pelos autores, desta vez em sua relação com a obra de Carlos Castañeda. Por fim, falamos sobre o conjunto da obra compartilhada pelos autores, que também engloba os livros "Kafka: para uma literatura menor" e "O que é a filosofia?". ⠀ Frederico Lemos é Mestre em Filosofia pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UFF (2019) e licenciado em Ciências Sociais pela UFF (2017). Atualmente, cursa o Doutorado em Filosofia pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UFF, com trabalho voltado para o problema do fascismo na filosofia política de Deleuze e Guattari. ⠀ ________________________________ Caio Souto Conversações Filosóficas ⠀ #corposemórgãos #deleuze #guattari #spinoza #artaud #antiédipo #milplatôs #uff #corpo #organismo #organicismo #mecanismo #vitalismo #vida #resistência #fascismo #castaneda #antropologia #indigena #ameríndio #viveirosdecastro #kafka #literaturamenor #fascismo #caiosouto #conversacoesfilosoficas

A post shared by Caio Souto (@conversacoesfilosoficas) on


Compartilhe o conteúdo:

Facebook Twitter Linkedin
Canal do Youtube
Facebook
Instagram
Twitter
Receba por e-mail
Podcast no Spotify